Incêndio no Museu Nacional/RJ: O descaso com a memória, com a história. Dra. Alenice Baeta, Cacica Marinalva e Vice-Cacique Merong, em entrevista a frei Gilvander. 03/9/2018.

Incêndio no Museu Nacional/RJ: O descaso com a memória, com a história. Dra. Alenice Baeta, Cacica Marinalva e Vice-Cacique Merong, em entrevista a frei Gilvander. 03/9/2018.

A noite do dia 2 de setembro de 2018 jamais será apagada da mente e da alma dos brasileiros e das brasileiras, mesmo daqueles que não têm a ideia plena do que se perdeu no incêndio do Museu de História Natural, da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro. “Uma tragédia!” Dizem alguns, perplexos com a força das chamas que, altas, anunciavam a noite sombria do domingo. Não, não foi simplesmente uma tragédia, considerando que tragédia tem a ver com fatalidade, com o inesperado. Podemos dizer, isso sim, que esse incêndio de tão grandes proporções, foi uma tragédia anunciada, resultado de um projeto de governo que, tendo como cúmplice, grande parte da sociedade movida pela ambição do capital e dos capitalistas, despreza e reduz à insignificância tudo o que é relacionado à educação, à ciência, à cultura, à história. Para esse grupo dominante só merecem atenção investimentos que movimentam o deus mercado, que geram lucros às suas ganância e ambição desmedidas. O mundo pôde assistir ao vivo as chamas que, tornando escura e longa a noite de 02/9/2018, consumiam coleções e mais coleções e peças de vários lugares do mundo, bibliotecas, múmias egípcias, registros de pesquisas, artefatos indígenas… Em meio a tantas raridades, muitas que só havia ali, no Museu Nacional da Quinta da Boa Vista. Entre as preciosidades históricas, a “Luzia”, um dos mais antigos esqueletos da humanidade, que teve sua face reconstituída por profissionais do Museu, e foi consumida pelas chamas, dando forma à metáfora da vida que vai sendo apagada e destruída pela falta de políticas públicas que respeitem, de fato, a dignidade humana, pela omissão dos/das que, podendo fazer, não fazem, negligenciam, e pela triste cumplicidade dos/das que se calam, como se não fossem parte dessa história e corresponsáveis pelos rumos a essa história dados. Dói, e dói muito, saber da perda imensurável do acervo de Línguas Indígenas, as referências etnológicas e arqueológicas das etnias do Brasil, desde o século XVI. Como se já não bastassem a opressão, a violência, as injustiças, o desrespeito aos seus direitos, nossos parentes indígenas veem transformada em cinzas sua memória, sua história… Uma Memória Histórica de 200 anos foi apagada, foi destruída na noite do dia 02/9/2018. O Brasil que, sendo de grande extensão territorial, rico de cultura, de tradições belíssimas, de bens naturais, com grandes avanços na ciência e tecnologia, com brasileiros e brasileiras que não se deixam abater pelo cansaço da luta e por tantas injustiças… Esse mesmo Brasil mostrou ao mundo a face que lhe foi dada pelas chamas desse incêndio que destruiu praticamente todo o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro: um país que não reconhece em sua história, em seu patrimônio cultural e científico, elementos fundamentais que podem orientar para a construção de um país melhor, fraterno, justo e feliz. Resta saber se saberemos (re)agir e ressurgir dessas cinzas que podem se espalhar com o vento ou vamos deixar arderem ainda mais as chamas da destruição.

Nesse vídeo, frei Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI, conversa sobre esse incêndio criminoso com a Dra. Alenice Baeta, professora, arqueóloga e historiadora, com a Cacica Marinalva Kamakã e o Vice-Cacique Merong Kamakã, após participarem de uma Mesa de Negociação do Governo de Minas Gerais, na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, na luta em defesa da Retomada Indígena da Aldeia Kamakã Grayra, em Esmeraldas/MG.

Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG. Belo Horizonte/MG, 03/9/2018.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander, acione o sininho, receba as notificações de envio de vídeos e assista a diversos vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.

#FreiGilvander

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *