Colapso. Fim do mundo? “E agora, José?”

Colapso. Fim do mundo? “E agora, José?” Por Gilvander Moreira[1]

Colapso. Fim do mundo? “E agora, José?”

Em plena quaresma, tempo de 40 dias para conversão pessoal, social, ecológica, social, política, econômica e religiosa, de 2020, estamos em casa, “forçadamente”, em quarentena, na esperança de impedirmos o avanço avassalador do coronavírus, que já matou mais de 10 mil pessoas e infectou outras 250 mil em vários países com a doença COVID-19. Se não for interrompido o contágio comunitário, esse vírus poderá matar milhões de seres humanos no Brasil e em muitos países. Uma crise sem precedentes na história da humanidade chegou com o colapso das condições de vida. Uma guerra biológica – uso de agentes biológicos como arma – em todo o mundo? O medo da morte toma conta de muitas pessoas. Outras, cegadas e em atitude estúpida, ignoram a guerra que já está em território brasileiro, com esse inimigo invisível, mas avassalador: o coronavírus. No Brasil, um país desgovernado por fascistas e estúpidos, o “governo” federal, idolatrando a manutenção de lucros e acumulação de capital de grandes empresas, “para tentar salvar a economia de depressão”, está postergando tomar medidas urgentes que poderiam impedir milhares de mortes. Atitude infame! Futuramente, as autoridades que deveriam tomar decisões políticas para salvar vidas e não tomam por mesquinhos interesses, serão julgadas por crimes de lesa-pátria.

Tudo nos leva a pensar que entrou em colapso o modelo de sociedade capitalista, individualista, consumista, competidora, egocêntrica, narcisista e devastadora da natureza. No mundo, atualmente, estão em curso 378 guerras contra a vida humana e a natureza. Por meio do agronegócio com monoculturas e grandes mineradoras, o mercado idolatrado segue fazendo guerra contra a natureza (a mãe terra, a irmã água, os biomas, toda a biodiversidade), arrasando o meio ambiente. Como dragão do Apocalipse, as grandes mineradoras seguem apunhalando as entranhas da mãe Terra. Chegou o fim do mundo capitalista neoliberal e neocolonial. É momento de pensar profundamente, refletir e converter radicalmente nosso modo de viver, de conviver e de nos relacionar com a mãe Terra, com a irmã água e todos os seres vivos da natureza. A natureza está gritando: “Respeite-me! Se vocês que se dizem humanos continuarem violentando e devastando todas as condições de vida no Planeta Terra, saibam que a espécie humana será extinta assim como foram exterminados os dinossauros e outros”. Diante de massacre de galileus, ordenado pelo governador Pilatos e diante de uma tragédia criminosa (queda da torre de Soloé), Jesus Cristo analisou a situação gravíssima e alertou: “Se vocês não se converterem, vão morrer todos” (Lucas 13,3.5). Por meio da parábola da figueira estéril “há três anos” (Lucas 13,6-9), Jesus propôs seguirmos a sabedoria do camponês: “Senhor, vou cavar em volta da figueira e adubar. Quem sabe, no futuro ela dará fruto!” (Lucas 13,8-9). Cuidar da mãe terra, nossa mãe, eis o caminho para voltarmos a viver e conviver com dignidade.

As cidades grandes se tornaram venenosas com excesso de poluição de vários tipos. O médico italiano Antônio Lupo diz que o coronavírus, na Itália, está tendo maior contágio nas cidades grandes onde a poluição é maior. Diz ele: “Na poeira invisível da poluição o vírus segue contagiando as pessoas”. Continuar vivendo nas grandes cidades será continuar no corredor da morte. O povo deve viver espalhado por todo o território e não amontoado nas grandes cidades. As cidades devem ser pequenas, onde os valores comunitários prevalecem e não o individualismo e a competição das grandes cidades.

A ambientalista antiglobalização Vandana Shiva pondera: “A natureza encolhe à medida que o capital cresce. O crescimento do mercado não pode resolver a própria crise que ele cria. Ou teremos um futuro em que as mulheres liderem o caminho para fazer as pazes com a Terra ou não teremos um futuro humano“. Ou seja, não basta pensar que após superarmos a contaminação comunitária do coronavírus, oxalá, nos próximos meses e com um baixo número de mortos, poderemos, depois, voltar a viver do mesmo jeito e fazer o mesmo que estávamos fazendo até agora. Insistir em “mais do mesmo” será de fato galopar rumo à extinção da espécie humana sobre o Planeta Terra que, sem nós, poderá pouco a pouco se revitalizar e cuidar das outras espécies que sobreviverem ao holocausto que o sistema capitalista está impondo à espécie humana.

Obcecados por acumular capital, sob a forma de dízimo, esmola e ofertas, muitos depravados pastores e padres promovem o divórcio da fé cristã com a realidade sociopolítica e ambiental, dão ênfase exclusivamente na espiritualização da mensagem do Evangelho de Jesus Cristo, teimando, assim, em amputar a dimensão social da mensagem bíblica. Desse modo, cultivam analfabetismo político que contribui para eleger pessoas que praticam a necropolítica, a exemplo daqueles que, como o atual presidente da República, defendem e justificam a tortura, a violência e a morte. E, pior, induzem o povo a ter uma visão idolátrica de Deus que leva as pessoas a ‘só orar’, ‘só louvar’ e a pensar de forma resignada que “só Deus pode nos livrar dessa tragédia”. Ignoram a orientação do apóstolo Paulo em sua Primeira Carta aos Coríntios: “sejamos cooperadores de Deus” (1Co 3,9). O Deus da vida só tem o poder do amor. Quem ama deixa a pessoa amada livre. Deus propõe, mas não se impõe. Jamais Deus – mistério de amor – vai agir de forma mágica atropelando a natureza e a condição humana. O Deus da vida age, sim, por meio de nós, de forma encarnada e comprometida com os desafios da história. A Bíblia nos apresenta várias situações em que o povo de Deus, conhecendo o perigo que se aproximava, agiu, guiado pela luz divina. Avisado sobre a iminência de um dilúvio, Noé construiu a arca e acolheu nela um casal de todas as espécies. Assim, Noé se tornou um dos pais da ecologia integral. Diante dos sinais de que uma grave seca se instalaria em toda a região do Egito, José armazenou alimentos. Sabendo do Decreto do rei Herodes, que determinava matar toda criança de dois anos para baixo, José e Maria, pai e mãe de Jesus, bem que poderiam ter ficado no mesmo lugar, mas fugiram para o Egito, para salvar o menino Jesus da morte.

No 4º domingo da quaresma, dia 22/03/2020, o Evangelho lido nas missas não presenciais foi João 9,1-41 – sexto sinal -, que narra Jesus curando um cego “de nascença”. Cegado e acostumado ao sistema, parte do povo não reconhecia o jovem que passou a enxergar, só o via enquanto pedinte (Cf. João 9,8). Após ter sido curado por Jesus, o cego foi interrogado pelos fariseus e, de cabeça erguida, por falar a verdade reconhecendo Jesus como profeta, foi perseguido e expulso da sinagoga pelos chefes religiosos (Cf. João 9,13-17.24-34). Ao saber que o cego que passou a enxergar tinha sido expulso, Jesus foi ao encontro dele e viu que ele estava firme para se tornar discípulo do mestre Galileu. No final da narrativa, o Evangelho termina afirmando que cego mesmo era as lideranças do poder religioso e quem passa a enxergar são as pessoas excluídas por um sistema de morte, as que seguem o ensinamento de Jesus Cristo. Por curar, Jesus também foi perseguido até a condenação a pena de morte, mas ressuscitou e está vivo em nosso meio. Em torno dos anos 80 do I século, era comum à Comunidade Judaica o poder de, na sinagoga, interrogar, julgar e até expulsar seus membros (João 9,13.18.22.34). A Sinagoga tinha uma assistência social que ajudava os cegos, as viúvas e os órfãos, mas com a condição que fossem “judeus”. A sinagoga definia quem era “justo” e quem era “pecador”. Os judeus, após a destruição de Jerusalém no ano 70 do I século, chegaram a um acordo com os romanos imperialistas: o judeu que se filiasse a uma sinagoga e nela pagasse o imposto teria seus direitos reconhecidos pelo Império Romano. Quem não se adequasse ao sistema religioso da época era excluído. O pai e a mãe do cego curado por Jesus também foram investigados pelos chefes do poder religioso (Cf. João 9,18-230). Se os pais do cego testemunhassem confirmando que Jesus havia curado a cegueira do filho, eles seriam expulsos da sinagoga e excluídos. Por isso, não puderam dizer a verdade para as autoridades.

Para Jesus Cristo a cegueira “dá oportunidade para a ação de Deus” (Cf. João 9,3). “Temos que realizar as obras de Deus já, enquanto é dia, pois a noite está chegando e ninguém mais poderá trabalhar” (João 9,4), alerta Jesus. Por que fazer ver – gerar conhecimento que liberta – incomoda tanto? Por que o povo é condenado a sobreviver cegado? Quem é verdadeiramente cego: quem assume o caminho da fé e da vida, mesmo fora dos esquemas estabelecidos ou quem prefere a comodidade das instituições e a garantia do poder? Um cego que passa a enxergar estremece o status quo, subverte muita coisa. Ver/conhecer a partir das vítimas é algo revolucionário. Quem passa a ver não precisa mais de esmolas e adquire autonomia. O pior cego não é apenas o que não quer ver, mas aquele que impede os outros de ver, isto é, o pior cego é o que coloca uma venda nos olhos dos outros. Na sociedade capitalista, os arautos do desenvolvimento e do progresso econômico ilimitado, via ideologia dominante e fake news, colocam uma venda nos olhos do povo. Quem, de cabeça erguida, questiona esse sistema de morte que está levando ao Apocalipse da espécie humana, é expulso e excluído do sistema.

No livro Ensaio sobre a cegueira, de 1995, José Saramago, em trezentas páginas, convida-nos a experimentar durante a leitura, sob intenso sofrimento e angústia, que não somos bons e que dói muito reconhecer que não somos bons e que estamos sobrevivendo como cegos. “Estou cego, estou cego, repetia com desespero enquanto o ajudavam a sair do carro, e as lágrimas, rompendo, tornaram mais brilhantes os olhos que ele dizia estarem mortos”. Um motorista parado no semáforo, subitamente descobre que está cego. Assim Saramago inicia o romance da história de uma epidemia de cegueira que atingiu todas as pessoas em uma cidade. A convivência social se tornou um caos, com pessoas isoladas e abandonadas à própria sorte. Na cidade em caos, destruição humana campeia. Todos cegos – cegados, melhor dizendo – se batem pela sobrevivência imediata. No desespero, os traços de humanidade são aniquilados.

Já em outra dimensão, José Saramago não está mais entre nós para ver o colapso que ocorre agora no mundo com o coronavírus matando milhares de pessoas e impondo “toque de recolher” em todos os países. Na Itália, país 27 vezes menor que o Brasil, sem cidade com mais de quatro milhões de habitantes, está morrendo mais gente também porque a privatização do sistema de saúde levou à diminuição e ao sucateamento do sistema de saúde do país.

Enfim, o colapso que a pandemia de coronavírus causou no mundo demonstra inequivocamente que se não o fim de todos os mundos chegou, pelo menos o fim do mundo moderno capitalista neocolonial chegou para ficar. Não será mais possível insistir em “mais do mesmo”. Com o poeta Drumond, perguntamos “E agora, José?” Melhor passar a palavra aos povos originários (indígenas) e aos povos tradicionais (quilombolas, geraizeiros, vazanteiros …) e termos a humildade de aprender com eles a reinventar o jeito de viver e conviver.

Em tempo: para o povo brasileiro não morrer de fome e nem ser forçado a saquear todos os armazéns em busca de comida, o governo federal precisa garantir já renda básica de emergência mensal no valor mínimo de R$300 reais por pessoa para as 77 milhões de pessoas mais pobres do Brasil – aquelas que têm renda familiar inferior a 3 salários mínimos[2].

24/03/2020: 40º aniversário do martírio de Dom Oscar Romero, assassinado dia 24/04/1980, enquanto celebrava uma missa. Foi metralhado pela ditadura militar-civil-empresarial em El Salvador, imposta a mando do Império dos Estados Unidos.

Obs.: Os vídeos nos links, abaixo, ilustram o assunto tratado acima.

1 – Palavra Ética TVC/BH: Davi Kapenawa, xamã do povo yanomami. Igrejas X Mineração. 02/3/2019

2 – Mirian, da Bíblia, 12 anos, está na Ocupação Vitória, em BH. C/ Mirian e Davi, venceremos. 23/05/15

3 – Famílias do Acampamento Zequinha, Bicas/MG, vivem da agroecologia. Despejo, NÃO! Vídeo 3 – 26/1/2020

4 – Palavra Ética na TVC/BH: Agroecologia na XXI Romaria em MG e Quilombo do Baú Araçuaí. 29/9/2018

5 – Do Agrotóxico para a Agroecologia/1ª Pré-Romaria da XXI Romaria/Águas e Terra/MG/Arcos/23/6/2018

6 – Assentamento Pastorinhas – Agroecologia – www.assentamentopastorinhas.blogspot.com – 16/04/2012


[1] Frei e padre da Ordem dos carmelitas; doutor em Educação pela FAE/UFMG; licenciado e bacharel em Filosofia pela UFPR; bacharel em Teologia pelo ITESP/SP; mestre em Exegese Bíblica pelo Pontifício Instituto Bíblico, em Roma, Itália; assessor da CPT, CEBI, SAB e Ocupações Urbanas; prof. de “Movimentos Sociais Populares e Direitos Humanos” no IDH, em Belo Horizonte, MG. E-mail: gilvanderlm@gmail.com – www.gilvander.org.br – www.freigilvander.blogspot.com.br      –       www.twitter.com/gilvanderluis        –     Facebook: Gilvander Moreira III

[2] Gratidão à Carmem Imaculada Brito que fez a revisão deste texto. Ela é Doutora em Sociologia Política pela UENF.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *