Governo de MG, Pimentel, está prestes a cometer injustiça agrária e violência contra Sem Terra no Norte Minas. Urgente e Alerta!

Governo de MG, Pimentel, está prestes a cometer injustiça agrária e violência contra Sem Terra no Norte Minas. Urgente e Alerta!

“Ai dos que ajuntam casa a casa, dos que acrescentam campo a campo, até que não haja mais lugar, de modo que habitem sós no meio da terra!” (Isaías 5,8).

A tropa de Choque da Polícia Militar do Governo de Minas Gerais (PM/MG) está desde 6 horas da manhã de hoje, dia 13 de março de 2018, terça-feira, na porteira do Acampamento Alvimar Ribeiro, do MST, desde 03 de setembro de 2017 resistindo, no município de Francisco Sá, no Norte de Minas Gerais, tentando cumprir o despejo contra mais de 120 famílias Sem Terra em defesa do latifúndio. Localizada às margens da LMG-122, no km 32, a fazenda Redenção é improdutiva, não cumpria função social. As Famílias Sem Terra acampados, do MST, que tem mais de 60 hectares de lavoura de milho, feijão, arroz e vários tipos de hortaliças, além de viveiros de mudas. As lavouras ainda não foram colhidas e pequenas criações – trouxeram vida para a terra e querem apenas um chão para poder viver e plantar. Entre os/as Sem Terra acampados/as estão muitas crianças, jovens, deficientes e idosos que estão reconstruindo suas vidas nesta terra, agora tendo função social. Crianças do Acampamento entregaram alimentos produzidos na área para policiais.

No dia 06 de março último, em uma reunião da Mesa de Diálogo de conflitos agrários e urbanos, os representantes do Governo de Minas garantiram que o despejo não aconteceria até o dia 15 de março, data da reunião da referida Mesa em Montes Claros.

Hoje, de madrugada, dia 13/3/2018, os camponeses Sem Terra acampados foram surpreendidos com a chegada da tropa de choque da PM para despejar as famílias da fazenda ocupada. O povo Sem Terra está indignado, com foices na mão e não aceita ser despejado da área. O Governo prometeu que não teria o despejo.
O Governo Pimentel irá cometer mais essa injustiça agrária contra o povo pobre Sem Terra? O Governo vai permitir que o latifúndio mais uma vez massacre a população pobre do Norte de Minas que sonha em ter um pedaço de chão? O Governo Pimentel, como no caso da Comunidade Tradicional pesqueira de Cana Brava, em Buritizeiro, vai permitir mais essa ação violenta contra os camponeses do Norte de Minas? Que o Governador Pimentel impeça o comando da PM em cometer mais essa injustiça.

Na manhã de hoje, a PM não deixou agentes de pastoral da Comissão Pastoral da Terra (CPT) entrar no Acampamento Alvimar Ribeiro para conversar com os camponeses Sem Terra e prestar serviço pastoral. Absurdo, arbitrariedade e ilegalidade da PM, pois a Constituição de 1988 assegura o direito de assistência religiosa. Não deixar agentes da CPT entrarem no acampamento significa desrespeitar a CPT e a CNBB, entidade da qual a CPT é uma pastoral social.

Cadê o respeito à dignidade humana, à função social da propriedade e o compromisso com um dos objetivos da Constituição Federal: construir uma sociedade que supere as desigualdades e a miséria? O papa Francisco exige “nenhuma família camponesa sem terra”.

Despejo, nunca! Negociação séria e idônea sempre!

Enquanto houver latifúndio sem cumprir a função social, ocupar é um direito e um dever!

Problema social e injustiça social e agrária jamais se superam com repressão, mas, sim, com Política séria e ética.

Assina essa Nota Pública,

Comissão Pastoral da Terra, em Minas Gerais (CPT/MG)

Francisco Sá, Norte de MG, 13/3/2018, às 10h40.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.