Trabalho, renda e dignidade: Quilombo Campo Grande, do MST/sul de MG – Audiência Pública na. ALMG – Vídeo 9 – 22/11/2018.

Trabalho, renda e dignidade: Quilombo Campo Grande, do MST/sul de MG – Audiência Pública na. ALMG – Vídeo 9 – 22/11/2018.

Luara Colpi e Gilson Reis, vereador em Belo Horizonte. Reprodução: Nádia Aparecida de Oliveira Sene.

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) realizou Audiência Pública no dia 22/11/2018, no Espaço Democrático José Aparecido de Oliveira, em Belo Horizonte, MG, para debater a Ação de Reintegração de Posse expedida por Juiz da Vara Agrária do TJMG, o que provocaria o despejo de 450 famílias do Quilombo Grande (11 Acampamentos do MST), em Campo do Meio, sul de Minas. O conflito fundiário na Fazenda Ariadnópolis, uma área de 3.900 hectares, ocupada por 450 famílias do Quilombo Campo Grande, ocorre desde 1996, em virtude da falência decretada pela empresa Usina Ariadnópolis Açúcar e Álcool S/A, instalada na área. Trabalhadores/as foram demitidos sem receber seus salários, suas indenizações e a terra ficou totalmente abandonada, sem qualquer função social. O total das dívidas trabalhistas da Empresa, envolvendo dívidas com a União, ultrapassam 300 milhões de reais. A Ocupação foi uma forma encontrada pelos trabalhadores e trabalhadoras da empresa de garantir seus direitos e sua sobrevivência. Mais de 2.000 pessoas moram e trabalham na fazenda há 20 anos e já fizeram um grande investimento na área, para trabalhar a terra de forma agroecológica, orgânica, o que fez com que alcançassem uma excelente produção saudável, de qualidade. São colhidas, anualmente, 510 toneladas de grãos de café e, graças a essa produção, o Quilombo Campo Grande concentra uma das maiores cooperativas de café do Estado de MG, a Cooperativa Camponesa que comercializa o café Guaií. Além disso, colhem também, nessa mesma linha agroecológica ou em transição, 55 mil sacas de milho, 8,5 mil sacas de feijão e plantam, em 40 hectares, hortas com grande variedade de verduras, legumes e tubérculos. Além disso, estão plantadas nos acampamentos 60 mil árvores frutíferas e mais de 60 mil árvores nativas. O Quilombo conta também com tanques de peixes, 322 caixas de abelhas, 1,2 mil cabeças de gado e 23,7 mil galinhas. Essa produção faz circular a economia em Campo do Meio e região, além de garantir renda às famílias. Investiram também na construção de centenas de casas, currais e quilômetros de cerca. Uma grande Rede de Apoio se formou em todo o Estado de Minas Gerais e no Brasil em defesa do Quilombo Campo Grande, para que as 450 famílias de camponeses e camponesas tenham assegurado seu legítimo direito de permanência na terra na qual trabalham com responsabilidade social e consciência ecológica e que lhes garante renda e dignidade. Nesse vídeo, a intervenção de apoiadores que se posicionam contra a opressão, a injustiça e a ganância do capital, dos capitalistas e do agronegócio e defendem a justiça, a garantia de direitos e a superação do conflito que só acontecerá com a permanência definitiva das 450 famílias do Quilombo Grande nas terras da Ariadnópolis onde estão integradas. Obs.: O desembargador Marcos Henrique Caldeira Brant, de plantão, suspendeu, na última sexta-feira, dia 30 de novembro de 2018, a liminar que determinara a reintegração de posse da antiga Fazenda Ariadnópolis. O magistrado entendeu que, devido à necessidade de uma análise mais aprofundada do caso, que envolve diretamente questões de ordem social de uso e ocupação da terra, é prudente a suspensão da reintegração da posse, mantendo as famílias na área.

*Vídeo original das gravações do streaming da TV Assembleia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Divulgação de frei Gilvander Moreira, da CPT, das CPT e do CEBI. Edição de Nádia Oliveira, colaboradora da CPT-MG. Belo Horizonte/MG, 22/11/2018.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander, acione o sininho, receba as notificações de envio de vídeos e assista a diversos vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.

#FreiGilvander

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *