Criança morre atropelada por caminhão pipa na Ocupação Vitória, sem água, em Belo Horizonte. JUSTIÇA PARA JOÃO VÍTOR

Criança morre atropelada por caminhão pipa na Ocupação Vitória, sem água, em Belo Horizonte. JUSTIÇA PARA JOÃO VÍTOR

Até quando a COPASA, o Governo de MG e a Prefeitura de Belo Horizonte vão sonegar água a 30.000 famílias em 119 Ocupações em BH?

Ontem, dia 23 de janeiro de 2021, foi um dia de luto na Ocupação-comunidade Vitória, na região da Izidora, em Belo Horizonte, MG. A negligência do poder público e da COPASA, que negam água a uma comunidade de mais de 8 mil famílias das ocupações da Izidora, produziu mais uma vítima ontem: João Vítor Santana, criança de 5 anos, enquanto brincava na rua de sua casa, morreu atropelado por um caminhão Pipa. Isso mesmo: CAMINHÃO PIPA EM BELO HORIZONTE, porque a COPASA, Governo de Minas Gerais e Prefeitura de Belo Horizonte continuam negando água a 30.000 famílias em 119 Ocupações, com alegação imoral de quem não são comunidades regularizadas. Assim, o Estado viola um direito essencial: direito a água, bem comum e essencial.

João Vítor era uma criança de luta. Na Ocupação Vitória conquistou junto com sua família o direito de um teto para morar, mas enfrentou a negação de diversos outros direitos como o direito à educação, direito de ter água para banhar-se, energia elétrica regular, uma rua pavimentada. Em uma cidade rica como Belo Horizonte, mas tremendamente desigual e injusta socialmente, JOÃO VÍTOR morreu, porque a comunidade, consolidada há quase 9 anos, ainda precisa de recorrer a caminhão pipa para ter o básico para sobreviver: a água!

A situação é muito grave, ainda mais durante uma pandemia, com as escolas fechadas, sem água e sem renda, as crianças vivem múltiplas violações de direitos. Uma cidade que não viabiliza condições de vida digna para suas crianças não é uma cidade justa.

No ano passado, a comunidade realizou manifestação na porta da COPASA, porque não tinha uma gota de água há meses nas torneiras. A COPASA, no entanto, se esquivou de sua responsabilidade, dizendo que a Prefeitura de BH deveria apresentar o Plano de Urbanização primeiro. A prefeitura, por sua vez, informa que já autorizou a instalação de água em diversas ruas. Empurra de lá, empurra de cá, nada se resolve e quem paga a conta, com a própria vida, é o povo pobre e negro nas ocupações urbanas em BH.

A verdade é que a prefeitura de Belo Horizonte, prefeito Alexandre Kalil, a COPASA e o governador Romeu Zema são corresponsáveis irresponsáveis por essa morte tão trágica, que ceifou uma vida inocente ainda começando. Quantas crianças, como João Vítor, ainda serão assassinadas para que os direitos de crianças e adolescentes de periferias sejam respeitados?

Denunciamos com lágrimas nos olhos, o coração apertado de tristeza e revolta essa morte. Clamamos para que os órgãos públicos tomem providências imediatas para a instalação de água nas comunidades.

Exigimos atuação da Defensoria Pública de Minas Gerais e do Ministério Público de Minas Gerias com medidas necessárias para superar essa violação de direitos que não dá mais para tolerar.

Que a morte de João Vítor não seja em vão! Que o direito à água seja universal em toda Belo Horizonte! Que possamos construir com as crianças uma cidade para todas as pessoas.

Nosso abraço solidário à família de João Vítor Santana e a toda a Ocupação-Comunidade Vitória, nome de outra criança da comunidade no momento do início da comunidade em 2013.

João Vítor, Presente, sempre em nós, na luta!

Repetimos a pergunta: Até quando a COPASA, o Governo de MG e a Prefeitura de Belo Horizonte vão sonegar água a 30.000 famílias em 119 Ocupações em BH?

Assinam esta Nota:

– Ocupação Vitória

– Brigadas Populares

– Comissão Pastoral da Terra (CPT/MG)

– Ocupação Rosa Leão

– Ocupação Esperança

– Ocupação Helena Greco

– Vereadora Bella Gonçalves – PSOL

– Projeto Unscorre – EA UFMG

– Projeto de extensão PROSA (Escola de Formação de Autoprodutores em Processos Sócio-Ambientais) – AU PUCMINAS

– Projeto de pesquisa RFP (Regularização Fundiária Plena) – AU PUCMINAS

– Advogadas da Izidora

– Unidade Popular (UP)

– Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas – MLB

– Arquitetas Sem Fronteiras.

– PSOL – Partido Socialismo e Liberdade

Belo Horizonte, MG, 24 de janeiro de 2021

Obs.: Os sete videorreportagens nos links, abaixo,  são parte dos treze videorreportagens que frei Gilvander já fez denunciando a falta de água nas Ocupações da Izidora. Ilustram o assunto tratado acima.

1 – Cadê água e energia, Kalil/COPASA/CEMIG? Seis anos da Ocupação Vitória/Izidora em BH. Vídeo 3

2 – Água pela COPASA na Izidora? Poesia e luta por direitos na Ocupação Rosa Leão. 10/8/17. 5º vídeo

3 – Povo da Ocupação Vitória clama por água. COPASA NAS OCUPAÇÕES DA IZIDORA? 10/8/17. 3a reportagem

4 – Ocupação Esperança, em BH: Luiz Roberto chora exigindo água da COPASA. “Negar água?” 14/10/14

5 – Ocupações do Isidoro sem água. A COPASA está negando água para as ocupações. 14/10/14

6 – Ocupação Rosa Leão, em BH, também com escassez de água Cadê a água, COPASA? 14/10/14

7 – Ocupação Esperança, em BH: COPASA deixando ocupações sem água em BH e região metropolitana. 14/10/14

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *